sexta-feira, 3 de junho de 2011

A verdadeira impotência sexual masculina.

O que precisa ficar em pé bem antes do sexo?

Já conversamos sobre contas afrodisíacas, “dicas infalíveis” de sedução e posições sexuais internas. Agora o tema é impotência, considerando homens que não sofrem de nenhuma disfunção fisiológica e nenhum distúrbio psiquiátrico, ou seja, eu e outros marmanjos que se encontram facilmente por aí.

Também não me interessam fatores apontados como causas de impotência, como o tal do estresse, pois eles se incluem como efeitos (não causas!) da impotência que vou descrever aqui. Muito menos aquela listinha de coisas brochantes dentro do manual para mulheres. Meu foco é aquilo que depende apenas da autonomia masculina, sem remédios, sem mudanças externas.

Que impotência é essa?

Imagine um homem em perfeitas condições que sofre de ejaculação precoce, gozando nos primeiros minutos de penetração ou boquete bem feito (não aquele que a mulher faz tomando cuidado para não pirar demais), e desenvolve o padrão de sempre partir para o sexo oral enquanto se prepara para uma “segunda”, na qual aí sim vai conseguir segurar por mais tempo – com menos potência.

Visualize outro que frequentemente não tem libido alguma. E outro que tem tesão, mas muitas vezes não consegue uma boa ereção. E outro que até consegue, mas não é capaz de sustentá-la de modo adequado ao ritmo espontânea da transa, gerando interrupções desconfortáveis.

Inclua mais um homem nessa imagem. Seu problema não é brochar, não é ejaculação precoce, não é ausência de libido ou potência. Ele faz tudo certo, mas talvez sofra desse outro tipo de impotência. De fato, a impotência sexual é raríssima se comparada com a impotência masculina dentro de uma relação e na vida, muito mais abundante.
O que já não estava em pé antes?

Cada vez mais as mulheres usam o sexo para se sentir amadas, já que às vezes é o único momento em que o homem para e olha com desejo, admira, toca sua mulher com vontade. O raro momento em que o homem fica minimamente presente e disponível, em que rola uma massagem (não é à toa que fizeram um K-Y que serve para massagear e penetrar), palavras sacanas, respiração profunda, conversas mais relaxadas.

Por outro lado, não é nada incomum o marido desenvolver aversão pela mulher em seus momentos de chatice e confusão, preferindo gozar sem preocupação diante da tela do computador a superar uma série de conflitos para chegar ao sexo. Em vez de abrir o quarto e enfrentar o monstro até que ele entregue aquela mulher sorridente e sensual de volta, ele fica horas enrolando na Internet, liga para uma garota de programa ou sai para beber e descarregar a tensão.

Quase ninguém fala dessa incapacidade de estar presente sem a necessidade do sexo ou dessa impotência diante dos caminhos tortuosos que culminam em uma relação profunda e intensa. Sem referências, o homem prefere a facilidade do orgasmo fast food ao cultivo mais demorado, agrícola, orgânico da coisa.

Sem essa potência, o homem nunca levanta, sobe, estabiliza, endurece antes do sexo.

Fonte: Não2Não1

Nenhum comentário:

Postar um comentário