quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Manual do Sexo Anal.

Quem falou que as mulheres não gostam de sexo anal?Ainda há muitos preconceitos quanto a este tipo de sexo, mas se feito com a pessoa amada é gostoso demais! Se feito com quem amamos e com jeitinho é muito gostoso e nada doloroso.A mulher tem que estar relaxada para a penetração não ser dolorosa e requer também perícia do homem.Um bom Amante faz do sexo anal algo maravilhoso.

78% dos homens brasileiros dizem que a bunda é a primeira coisa que eles olham numa mulher. Brasileiro adora bunda. Uma enquete realizada pelo Por Prazer revelou que a bunda é a parte do corpo feminino preferida por 78% dos homens. Parece óbvio que essa preferência não é exclusivamente estética. Mais do que olhar, eles querem comer.

O problema é que esse gosto exacerbado pelo bumbum não encontra correspondência à altura no comportamento das mulheres. A maioria não dá, ou diz que não dá. Outras tantas fazem da bunda uma espécie de última trincheira que elas só entregam a quem realmente merece, em troca de muito carinho e promessas de amor eterno. É o que se chama vulgarmente de "fazer cu doce".

Verdade seja dita: apesar da bunda entrar livremente nos lares mais respeitáveis rebolando e cantando, dar a bunda ou, se você preferir, tomar na bunda, continua tendo um forte sabor de coisa proibida.

Há, certamente, quem goste (e muito) de dar. Já conheci mulheres para quem uma transa sem sexo anal era uma trepada incompleta. Essas não só gostavam como faziam questão. Por outro lado, existem aquelas que experimentaram e não gostaram. A principal alegação é de que sentiram apenas dor e nenhum prazer.

Qual a razão de opiniões tão divergentes se nas outras formas de intercurso sexual o prazer é quase um consenso? Primeiro porque existem, em nossa sociedade, os paradigmas de que o sexo anal é doloroso e sujo.

A cultura ocidental, fortemente influenciada pela igreja, sempre catalogou o coito anal como antinatural. Isso porque, por não servir à reprodução da espécie, o sexo anal tem como único objetivo o prazer, e trepar por prazer é considerado pecado.

As mulheres, especialmente elas, sempre foram induzidas a acreditar nesses paradigmas e terminam por encarar o sexo anal com apreensão e até medo. Isso as torna tensas e essa tensão contribui para tornar a penetração difícil e dolorosa. Mas se o homem for cuidadoso e a mulher estiver relaxada, confiante, excitada e cheia de tesão, a penetração anal pode se dar sem dor.

O objetivo deste manual é contribuir para que homens e mulheres possam usufruir o sexo anal com o máximo de prazer.

CUIDADOS ESSENCIAIS

- O pênis e o ânus devem estar limpos. Um bom banho antes faz com que os parceiros se sintam mais seguros e ajuda a relaxar;
- O ânus não possui lubrificação natural. Portanto use algum produto que ajude nessa tarefa. A saliva não é eficiente porque seca muito rápido. A velha e boa vaselina ainda cumpre seu papel, mas atualmente existem produtos mais adequados, como o K.Y. da Johnson&Johnson, um gel solúvel em água, sem cheiro e com gosto de soro fisiológico;
- As unhas devem estar bem cortadas e limpas.

ENTENDENDO A ANATOMIA

O corpo humano possui dois esfíncteres (músculos circulares que fazem com que o orifício se contraia e relaxe) anais. O primeiro esfíncter fica na entrada do reto e o segundo uns três centímetros mais para dentro. Ao contrário da vagina que é bastante elástica e possui baixa sensibilidade, esses esfíncteres são cheios de terminais nervosos, tornando-os extremamente sensíveis. É por essa razão que a distância entre dor e prazer é tão tênue.

PRELIMINARES

Se as preliminares são importantes em qualquer relação sexual, no sexo anal elas são indispensáveis. A mulher tem que estar excitada, com tesão e querendo dar o bumbum pra você. Sendo assim, capriche nos beijos, nas carícias, nas palavras ("sejamos docemente pornográficos", já dizia o poeta Drummond de Andrade) e use a língua. Afinal, nada mais justo do que cobrir de beijinhos, mordidinhas e lambidas uma coisa que você deseja tanto.

PREPARANDO O TERRENO

Use o dedo. Ele tem importância fundamental nesse processo. Pegue o K.Y. (ou a vaselina) e espalhe uma boa quantidade, fazendo movimentos circulares em torno do ânus. Depois, introduza o dedo bem devagar. Não vá fundo (pelo menos, ainda não). Meta apenas a ponta do dedo e faça movimentos suaves e lentos de entra e sai. Isso irá ajudar sua parceira a relaxar, além de excitá-la muito. Aos poucos, vá aprofundando a penetração, sempre atento às reações dela. Lembre-se: seu objetivo a ter e dar prazer.

Use a língua - O ato de lamber ou chupar o ânus é chamado cientifica-mente de "annilingus".

Os médicos são unânimes em afirmar que o sexo anal não faz mal à saúde, desde que sejam observados certos cuidados de higiene.

Penetre o ânus com um ou dois dedos lambuzados de K.Y. Isso ajudar a relaxar o esfíncter e vai deixar sua parceira ainda mais excitada.

DEVAGAR E SEMPRE

Na hora de botar, use mais K.Y. nela e em você também. Quanto mais lubrificado, melhor. Por mais que você esteja a fim, vá com calma. É necessário aliar paciência e firmeza para merecer estar no fundo daquela bunda que você tanto deseja. Em geral, a penetração compreende três etapas. Primeiro, encoste a cabeça do pau no lugar certo e exerça uma pressão suave mas determinada. Quando a glande estiver dentro, pare, dê um tempo para que o esfíncter se dilate e se acomode à presença do "invasor". Sussurre umas sacanagens gostosas no ouvido dela, beije seu pescoço, sua nuca, de modo a manter a excitação sempre em alta. No segundo estágio, penetre aos poucos até que a metade do pênis esteja dentro do ânus. Sempre com calma, comece a se movimentar suavemente, lentamente, para dentro e para fora. A partir daí não tem retorno. É se entregar ao delírio de estar, finalmente, comendo a bunda da gata que, se tudo tiver sido feito direitinho, estará experimentando um prazer intenso, diferente de todos os outros. Se não for uma múmia, ela irá colaborar com seus movimentos, empurrando o bumbum de encontro ao seu corpo, ditando o ritmo que lhe seja mais prazeroso. O terceiro estágio da penetração? É ela quem decide quando e lhe dá o sinal verde pedindo "bote tudo, meta toda...".

Quando a glande entrar, pare um pouquinho...

Depois vá enfiando até que a metade do pênis esteja dentro do ânus.

*************************************************************************************

As Posições Usadas no Sexo Anal

Algumas posições se prestam melhor para a prática do sexo anal, mas essa é uma questão estritamente pessoal. Posição boa é aquela em que os dois se sentem confortáveis e podem usufruir plenamente dos prazeres daquele momento. Invente a sua!

De quatro - a posição clássica



É a mais tradicional e também a mais usada de todas. É confortável para ambos, possibilita penetrações profundas e tem vista para o paraíso

De bruços - quase todas gostam



Muito apreciada pelas mulheres. A penetração se dá mais facilmente se a mulher colocar uma almofada sob a barriga, deixando assim o bumbum mais empinado. Permite mais intimidade entre os parceiros do que a posição anterior. Aproveite para dizer baixinho no ouvido o quanto ela é gostosa.

De ladinho



Proporciona movimentos mais suaves e permite que a mulher tenha controle sobre a penetração, dosando a profundidade. Indicada para iniciantes ou para mulheres muito sensíveis à dor.

Em pé



A mulher deve se inclinar um pouco, apoiando-se na parede ou em móvel qualquer, com as pernas separadas. Entra fácil.

De frente



Apesar de pouco utilizada essa posição tem inúmeras vantagens. O contato entre os parceiros é muito íntimo, vocês podem se olhar nos olhos, se beijar, curtir as reações um do outro, se dizer coisinhas... A mulher fica com as mãos livres e pode se masturbar enquanto é penetrada. Para facilitar a penetração, ele deve colocar uma almofada sob a bunda.

Cavalgando



Essa é para mulheres experientes em sexo anal. Ajoelhada ou agachada sobre o parceiro, de frente ou de costas para ele, a mulher "come" o pênis com o ânus. O controle é todo dela. Quem nunca teve o pau engolido assim não conhece o paraíso.

E O ORGASMO, COMO FICA?

Algumas mulheres conseguem gozar apenas com a penetração anal. A maioria, porém, precisa de manipulação do clitóris, com os dedos ou com um vibrador, para atingir o orgasmo. Portanto, masturbe sua gata ou incentive-a fazer isso durante o ato. Certas mulheres descrevem o orgasmo obtido dessa forma (com penetração anal acompanhada da manipulação do clitóris) como a mais intensa e prazerosa de todas as sensações.

DICAS

- O atrito gerado durante a transa provoca microfissuras (pequenos arranhões invisíveis a olho nu) no ânus e no pênis que são verdadeiras portas abertas para a entrada de vírus e bactérias causadoras de doenças graves. Só existe um jeito de evitar isso: use camisinha.
- Nunca, mas nunca mesmo, introduza o pênis na vagina depois de ter feito sexo anal, sem antes lavar o pênis ou trocar de camisinha. Isso pode provocar corrimentos e outras infecções graves na mulher. A prática muito freqüente do sexo anal pode, com o tempo, provocar um certo afrouxamento do ânus. Isso pode ser evitado com exercícios que tonificam as músculos do esfíncter.
- Se a mulher tem o ânus sensível demais, pode misturar um pouquinho de anestésico (xilocaína, p.ex.) ao K. Y. e lubrificar o ânus com essa mistura antes da transa. Mas atenção: a quantidade de anestésico deve ser bem pequena para a evitar a perda de sensibilidade do pênis. Se isso acontecer, a perda de ereção é inevitável e pau mole nem no céu entra.
- Mulheres experientes em sexo anal afirmam que uma forma de evitar a dor é fazer força, como se estivesse "indo ao banheiro", no momento da penetração. Isso faz com que o ânus se dilate e agasalhe o pênis confortavelmente.

Fonte: Rede do Sexo

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Dúvidas sobre Sexo???

Todo atraso de menstruação significa gravidez?

Não. A partir da primeira menstruação, a menina ainda demora de seis meses a um ano para chegar ao amadurecimento total de seu sistema reprodutor e hormonal. Por isso, nesse período é comum haver grandes atrasos de menstruação ou, ao contrário, ocorrer mais de um episódio de sangramento por mês. Na vida adulta, distúrbios hormonais também podem provocar alterações no ciclo menstrual. Mas, se o atraso for acompanhado de sono, tontura.

Por que a AIDS não se transmite através do beijo?

A transmissão oral do HIV é um evento raro, até mesmo quando há sangue e exsudato (matéria resultante de processo inflamatório e que, saindo de vasos sangüíneos, se deposita em tecidos ou superfícies teciduais - constituída de líquido, células, fragmentos celulares, sendo caracterizada por alto conteúdo protéico) presentes. A saliva inibe a ação de infectividade do vírus HIV. O rompimento hipotônico pode ser um mecanismo importante, através do qual a saliva mata leucócitos infectados e impede sua ligação às células epiteliais da mucosa e a produção de HIV, evitando, desta forma sua transmissão.

Porém, um volume suficiente de fluido isotônico (sangue, exsudatos e leite) evita a lise de leucócitos, porque dilui a saliva. O fluido seminal também protege as células infectadas contra a ação da saliva.

Nunca foi relatada a transmissão pelo beijo, entre parceiros não sexuais, mas já houve relato de transmissão por mordida, segundo dados da U.S. Department Of Health And Human Services.

Quais os riscos do sexo anal?

O reto e o ânus são órgãos com intensa irrigação sangüínea e é comum a existência de fissuras (pequenos cortes) nessa região. Por essa razão, o sexo anal é a fonte mais fácil de transmissão de doenças por via sangüínea, como hepatite e aids. Ao contrário do ânus, a vagina tem uma mucosa espessa, com pouca vascularização, que torna difícil a ocorrência de sangramento. Por isso, no sexo anal, é ainda mais importante o uso da camisinha. Para evitar machucados, pode-se usar também um gel lubrificante.

O que é ponto G?

O ponto Grafemberg, mais conhecido como ponto G (recebe esse nome porque teria sido descoberto pelo ginecologista alemão Grafenberg), é uma pequena saliência altamente sensível e erógena, do tamanho de uma moeda de 5 centavos, localizada no fundo da parede frontal da vagina de todas as mulheres.

Ele desencadeia um tipo de orgasmo diferente do clitoriano, quando as mulheres alegam sentir ondas de prazer percorrendo o corpo inteiro, não apenas a genitália. Com a estimulação do ponto G, as sensações são muito mais profundas e, algumas vezes, incontrolavelmente prazerosas.

HOMEM: Os homens também têm o seu próprio ponto G: a próstata, uma glândula localizada logo abaixo da bexiga. Parece com o ponto G feminino, porque é altamente erógena e fica escondida na parte interna do corpo.
Mas, na prática, os cientistas ainda não conseguiram provar sua existência.

Uma mulher pode ficar grávida mesmo se o homem não ejacular durante o ato sexual?

Pode sim. Embora algumas pessoas pratiquem o chamado "coito interrompido" como forma anticoncepcional, existe o risco de gravidez porque, antes da ejaculação, o pênis elimina um líquido lubrificante, secretado pelas glândulas bulbouretrais e epidídimo, que pode conter espermatozóides.

O que é fimose? Por que e quando é necessária a cirurgia?

Fimose é a dificuldade, ou mesmo a impossibilidade de expor a glande ("cabeça" do pênis) porque o prepúcio ("pele" que recobre a glande) tem um anel muito estreito. O prepúcio colado na glande é freqüente e normal nos primeiros anos de vida (aos 6 meses somente 20% dos meninos conseguem expor totalmente a glande, mas quase 90% já o conseguem aos 3 anos).

Assaduras e cicatrizes (fibrose) retraem a pele, tornando o anel prepucial mais estreito. Também existem casos de crianças em que os pais, preocupados com o acolamento entre a glande e o prepúcio fazem "massagem", forçando a pele, e ocasionando pequenos traumatismos (microtraumatismos), que ao cicatrizarem tornam o anel estreito, e aí formam uma verdadeira fimose. Essa massagem, ao causar dor e desconforto também cria na criança o medo de que alguém mexa nos seus genitais. Este medo interfere na higiene peniana e, ao não se realizar uma boa higiene, ocorrem as inflamações ou infeções do prepúcio, que são outra causa da fimose. Este medo também dificulta a aceitação da cirurgia, dos cuidados pós-operatórios, e interfere na aceitação da sexualidade.

A cirurgia, denominada circuncisão ou postectomia, visa:

a) Permitir a higiene adequada do pênis.
b) Permitir no futuro um relacionamento sexual satisfatório.
c) Evitar ou corrigir a PARAFIMOSE (quando o orifício de abertura do prepúcio, por ser muito estreito, fica preso logo abaixo da glande, com dor, inchaço imediato e dificuldade de urinar.
d) Diminuir o risco de balano-postites (infeções do prepúcio e glande), infeções urinárias, doenças venéreas e do câncer no pênis.
e) Diminuir o risco de câncer de colo de útero na sua futura esposa.

Fonte: Anatomia & Fisiologia Humana

“Quero fazer sexo com 100 homens em um ano”

“Fui levada por aqueles olhos verdes, os cabelos quase grisalhos. As piadas não eram tão engraçadas, mas a leveza com que ele conduziu tudo me conquistou irremediavelmente. O sexo não foi espetacular, não teve nada de bizarro, não foi inesquecível. Mas jamais poderei esquecer de uma sensação – ao vê-lo fumando nu na janela, pensei: ´quero de novo. E de novo. E de novo`. Foi libertador”.

"Eu não sou prostituta e não tenho interesse em sair com vocês"
--------------------------------------------------------------------------------
Já teve gente achando que eu era um monte de jornalistas escrevendo ficção. Eu até preferiria começar esse "quem sou eu" dizendo que é porque "sou muitas mulheres em uma só". Mas não, eu não vou recorrer ao clichê. O motivo é bem simples: não sou tudo isso. Quisera eu!

Assim Letícia Fernandez começou o primeiro texto de um projeto bem incomum: ir para a cama com 100 homens em um ano – e relatar essa experiência em um blog. A meta foi estabelecida em fevereiro. Ela havia se mudado para São Paulo e, depois de uma calmaria em sua vida sexual, percebeu que a coisa tinha engrenado.

“Pensei que, se continuasse naquele ritmo, eu chegaria a cem em um ano. Como já havia tido vários blogs, resolvi registrar em um para não esquecer de cada caso. Por mais doloroso que seja para alguns homens, a verdade é essa: a gente esquece deles”, diz a jornalista de 30 anos e sotaque nordestino que se protege sob o pseudônimo (o nome e a cidade natal ela não revela nem amarrada). Só que o blog Cem Homens bombou.

Os 4 mil acessos diários passaram para 10 mil, depois para 30 mil, e ontem o blog registrou um pico recorde de 200 mil acessos. No último mês, já somam 750 mil. “Não esperava que tivesse esse retorno tão grande”, afirma a autora do Cem Homens. Ainda um pouco atordoada por todo esse sucesso, ela falou ao Tecnicidade:

Por que você resolveu fazer o blog?

São Paulo é arida, né? As pessoas não são muito simpáticas com alguém desconhecido. Eu estava acostumada com uma coisa mais calorosa e tive dificuldade para me adaptar ao jeito do paulistano. Se você faz piada de cunho sexual por aqui, as pessoas se constrangem, e eu não me constranjo com nada disso. Então mergulhei em outras coisas porque a parte sexual estava ruim. Quando as outras coisas estavam boas, eu me voltei para a minha vida sexual. Eu estava de férias e com uma vida pessoal bem agitada. Pensei que, se continuasse naquela batida, em um ano ia chegar a 100 homens. Como eu já havia tido outros blogs e gosto de escrever, resolvi registrar em um para não esquecer dos caras com quem eu estava transando. Por mais que seja doloroso para alguns homens, a verdade é essa: a gente esquece de vocês. É bastante normal uma mulher querer transar com cem homens, só que as pessoas não falam disso.

O blog está fazendo muito sucesso. Você esperava essa repercussão?

Eu não achei que ia ter esse retorno. O interesse das pessoas em uma vida completamente comum me assusta. Fico imaginando como é a vida das pessoas que caem na rede. Tenho um pouco de receio do que pode acontecer. Quando comecei, achei que seria só mais um blog. Ficaria numa boa se tivesse sido assim.

Já pensou por que isso está acontecendo?

É um assunto que todo mundo gosta ou sobre o qual tem alguma curiosidade. As pessoas me mandam email com dúvidas. Uma menina queria saber: “O que faço com a ejaculação precoce do meu namorado?”. Porque ela não tinha coragem de falar com os amigos sobre isso, e o blog acaba sendo um lugar de discussão graças à proteção do anonimato, que permite às pessoas falarem coisas que não são tratadas em outros lugares. Aos poucos a coisa evoluiu para além da festa. Passei a me interessar mais pelo assunto. Não só consumir sexo, mas a saber um pouco mais do que a média.

Como assim?

Quando comecei a fazer o blog, me deparei com certas taras, coisas que não faziam parte da minha realidade. Se você sai com um cara, ele não vai falar que gosta de ser penetrado ou te propor uma escatalogia. Mas isso já aconteceu pelo blog, que ganhou um papel importante por esse feedback. Passaram a me mandar muitos emails. Hoje eu narro algumas coisas, mas virou mais um espaço onde as pessoas falam sem medo de serem julgadas. Ao mesmo tempo o blog foi uma forma de relatar uma mudança na minha forma de ver o sexo e até intensificou isso. Antes eu não namoraria um bissexual e era uma defensora da monogamia. Mas hoje teria um relacionamento com um bissexual e acho que um relacionamento aberto pode dar certo. Uma vez fiz um post sobre travestis. Os comentários eram em sua maioria de homens dizendo que curtiam ou de mulheres dizendo que se descobrissem que o marido gostava seria o fim do casamento. Mas quatro mulheres disseram que tinham tesão em travesti. Isso nunca tinha passado pela minha cabeça, mas aí essas pessoas admitem esse desejo em um blog e eu aprendo com isso. Hoje, se uma amiga minha falar que sente tesão por travesti, eu não acharia mais estranho.

Você consegue traçar um perfil dos seus leitores?

Acho que não tem um perfil. Tentei fazer uma análise disso com um post em que eu pedia para as pessoas dizerem a idade, o sexo e a cidade onde moravam. Tinha gente de 18 ano a 50 anos. Mas, como a maioria dos comentários são anônimos, não há como saber.

Em muitos sites, os comentários anônimos são um problema porque as pessoas falam coisas impublicáveis. No seu blog também é assim?

Os comentários eram liberados, mas depois eu tive que passar a controlar. Quanto mais notoriedade, mais comentário tosco. Já disseram que eu estava tomada pelo diabo ou que eu estava ensinando as mulheres a serem prostitutas. Mas não recebo muitas mensagens desse tipo. Por email, nem me xingam mais. Acho que as pessoas têm preguiça. Quando recebo comentário ou email assim, nem presto mais atenção. Fico incomodada com quem quer ditar o que eu tenho que falar no blog. O pior é quantidade de email de tarado. Teve um homem que me mandou a foto da vasectomia dele. As pessoas perdem a noção completamente. Nem perco tempo lendo porque esse tempo poderia ser melhor gasto escrevendo no blog ou respondendo a pessoas bacanas. Esse tipo de mensagem eu mando direto para a pasta de homens sem noção do meu email. Criei até um tumblr para colocar as coisas mais absurdas que eu recebo (http://cemhomenssemnocao.tumblr.com/).

Em meio a esse assédio, surgem pessoas legais?

Tenho leitores muito bacanas. Saio, bato papo, viro amiga. Tem pessoas com quem falo todos os dias no Twitter, troco email. Hoje está um pouco difícil porque não consigo mais responder a tudo e a conversa não flui, mas com quem já me lia antes eu tenho uma boa relação.

E casos com leitores, já teve?

O número 18 foi o primeiro leitor com quem eu transei. A gente trabalhava no mesmo lugar. Eu já sabia quem ele era, e ele não sabia quem eu era. Quase desisti por medo de encontrá-lo e não ser bacana. Mas fui. Hoje não nos falamos mais. O número 26 também é leitor.

Eles idealizam uma mulher muito diferente do que você é?

Acho que me imaginam completamente diferente, como se eu fosse a maior gostosa, dessas que passam e todo mundo olha. Também acham que eu fico dando mole para os caras na rua. Sou normal. Na balada, nem sou a mais paquerada do meu grupo de amigas. Mas quem vai terminar a noite acompanhada sou eu porque elas são conservadoras. Eu só tenho preocupação com minha segurança física e doenças venéreas. Nem ligo pro resto.

Já rolou alguma paixão?

Sim, foi com um leitor do blog. Não quero falar muito porque as coisas estão meio indecisas. A gente se trata por nomes ridículos que nem os casais apaixonados, mas ele não mora em São Paulo. Então, decidimos não continuar, porque eu preciso muito do contato físico. Eu não ia conseguir ser monogâmica à distância, e ele não segurou a onda. Ele é uma pessoa incrível e ainda vamos nos encontrar. Há um carinho muito grande. Quero ter ele na minha vida para sempre, nem quem seja para mandar só um email por ano perguntando como estão as coisas.

Alguma história ficou de fora?

Hoje fica. Não vejo necessidade de escrever todas as histórias, porque não quero magoar as pessoas. Até o número 29 eu postei todas. Depois passei a não postar porque não vou por em risco um relacionamento para saciar a curiosidade de quem eu nem conheço. Teve um cara com quem eu transei e foi muito ruim. Como você fala que foi muito ruim para alguém do seu círculo social?

Como está a sua contagem?

Está acima de 30. Ou melhor, de 31, porque teve um ménage a trois. Mas não quero ser precisa porque não vou mais escrever logo depois que rola a transa. Vai ser fora de ordem, aos poucos, algumas semanas depois ou quando acabar. Eu estou expondo a vida de outras pessoas e é difícil lidar com isso.

Com o sucesso, você pensa em se revelar em algum momento?

Não. Prefiro que as coisas fiquem bem separadas. As pessoas são muito grosseiras. Tenho que preservar outras pessoas e a minha família. Não quero que sobre para ninguém. Eu escolhi isso.

Já pensou em como esse projeto vai evoluir daqui em diante? Ou onde isso vai terminar?

Não tenho a menor ideia. Já me chamaram para dar entrevista na TV e fazer programa de rádio. Fico um pouco envergonhada. Não pelo sexo, mas porque eu não preciso dessa massagem no ego. Não tenho esse exibicionismo digital. Pode parecer contraditório, porque tenho blog sobre a minha vida sexual. Mas o blog não existe para eu ficar conhecida. A ficha ainda não caiu. Talvez tivesse caído se eu ganhasse algum dinheiro com ele. Talvez já tivesse virado uma coisa profissional. Mas não é o caso. Pra mim, continua sendo só um blog. É divertido, mas também é muito irritante às vezes. Já pensei em parar. Cheguei a fazer post de despedida, mas continuei porque eu sinto que ele tem uma função bacana. Mesmo eu não sendo recompesada diretamente, sei de mulheres que se sentem melhor por ler o blog. Largar seria um idiotice.

Fonte: 24horasnews

ÓRGÃO GENITAL MASCULINO: O TAMANHO É IMPORTANTE?

Geralmente, o falo atinge seu tamanho definitivo aos 16/17 anos de idade e 80% dos falos eretos situam-se entre 11 e l6 cm, sendo 14 cm a medida mais comum. O pequeno tamanho do órgão genital em repouso não é relevante; é no estado ereto que ele exerce sua função. O prazer feminino independe do tamanho do órgão genital, mas sim de um conjunto de fatores que cerca o ato sexual: clima, desejo, grau de excitação e "habilidade" do parceiro. A maioria dos órgãos denitais feminino tem uma profundidade entre 09 a 12 cm.

Portanto, a grande maioria dos órgãos genitais masculinos adequa-se a quase todas os órgãos genitais feminino. A insatisfação quanto ao tamanho do falo é uma queixa comum no consultório do urologista. Na maior parte dos casos a insatisfação não deriva de uma queixa do parceiro, mas sim do desejo do paciente de possuir um falo maior, seja por desconhecimento das medidas normais, seja por comparações errôneas com outros órgãos genitais, principalmente com os vistos em revistas ou filmes eróticos, ou através de "vantagens" contadas por amigos. Porém o que observamos na prática é bem diferente.

Cerca de 90% dos casos enquadram-se nas seguintes condições:

1 - Genitália de tamanho normal, adequado para sua função.
2 - Genitália de tamanho normal, adequado para sua função, "escondido" parcialmente pelo aumento da gordura pré-pubiana comum nos obesos.
3 - Genitália de tamanho normal, adequado para sua função, em um homem alto com falo proporcionalmente pequeno.
4 - Genitália de tamanho normal, adequado para sua função, mas parcialmente encoberto por uma implantação anormal da bolsa escrotal.

Como cada caso é único, em dúvida solicite a avaliação de um urologista. Mas atenção: Bombas de vácuo e aparelhos "esticadores" não possuem a simpatia da comunidade urológica e os "milagres" a eles atribuídos não têm comprovação científica. Não há estudos sobre as conseqüências do seu uso, portanto, é melhor não arriscar.

Fonte: Portal São Francisco

Ejaculação precoce.

A ejaculação precoce é inconfundível. Em essência, é a condição na qual o homem torna-se incapaz de exercer um controle adequado sobre o seu reflexo ejaculatório, resultando que, uma vez excitado, atinge o orgasmo rapidamente, antes, durante ou logo após a penetração, sem que deseje.

São inúmeras as hipóteses levantadas para as causas da ejaculação precoce. Sabemos que a ejaculação precoce é a dificuldade que o homem possui em perceber as sensações que antecedem o orgasmo, mas o que o leva a não aprender essa sensação é uma incógnita.

Apesar de muitos estudiosos acreditarem na hipótese da ansiedade, o uso de medicamentos isolados para este fim não têm apresentado resultados satisfatórios. É muito mais importante descobrirmos a origem da ansiedade e tratá-la do que encobri-la com drogas, tendo em vista que ela interfere no mecanismo da percepção.

A hipótese de um comportamento condicionado por masturbação e coitos rápidos também não é totalmente descartada, tendo em vista que o comportamento sexual é aprendido.

CAUSAS ORGÂNICAS: Se a história sexual do paciente indica que ele sempre teve dificuldade para exercer o controle ejaculatório, e é fisicamente sadio, é muito pouco provável a existência de uma causa orgânica para a queixa. Por outro lado, é indicado um exame urológico e neurológico quando um paciente com histórico de bom controle ejaculatório tornar-se um ejaculador prematuro. Neste caso, a incontinência ejaculatória pode ser indicativa de outras complicações, o que é extremamente raro.

CAUSAS PSICANALÍTICAS: Segundo a teoria psicanalítica, os ejaculadores precoces seriam os homens que escondem sentimentos sadistas inconscientes em relação às mulheres. De acordo com essa teoria, o propósito do ejaculador precoce seria perturbar a felicidade da mulher, privando-a de prazer. O tratamento baseado nesta hipótese procuraria revelar e resolver conflitos edipianos inconscientes do paciente, na expectativa de que, obtido este resultado, o pensamento sadista com relação à mulher cessaria e automaticamente o funcionamento sexual se tornaria perfeito. Apesar das inúmeras contribuições da Psicanálise, o que observamos é que o tratamento da ejaculação precoce através desta técnica apresenta pouco sucesso. Atualmente, nenhum estudo sistemático sobre a funcionalidade da técnica foi publicado. Nos tratamentos que obtiveram êxito, os sintomas do paciente só foram melhorados depois de anos,e, mesmo assim, não se pode afirmar categoricamente que tenha sido em função da técnica utilizada.

TRATAMENTO: O tratamento consiste em fazer com que o homem adquira a habilidade em perceber e controlar as sensações que antecedem o orgasmo. Inúmeras técnicas são utilizadas, deixando sempre claro que a situação sexual foi concebida para ser extremamente prazerosa. Manobras que visam tirar o prazer não são terapêuticas.

Fonte: Anatomia & Fisiologia Humana

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Dupla Penetração.

Encontramos um texto no site "A Vida Secreta" e achamos interessante o assunto, até porque, para muitos casais e mulheres liberais, este ainda é um tabu a ser quebrado para aqueles que fantasiam um dia este cenário.

Relato de um homem

Sim, já fiz e posso assegurar que é uma delí­cia, pricipalmente para a mulher. Vi mulheres chorando de prazer, desfalecendo de tanto gozar.

Mas não é fácil, em todos os sentidos. Digamos que a "Dupla Penetração" não é coisa para iniciantes. Exige paciência, intimidade, entrega total, controle e técnica, muita técnica.

Foi a indústria do cinema pornô, empenhada em exibir cenas cada vez mais impactantes, quem se encarregou de popularizar essa variação sexual. Porém, mesmo nesse meio, são poucas as atrizes que aceitam e realizam a dupla penetração com desenvoltura. O que dizer, então, de nós, simples mortais?

Para a grande maioria a "Dupla Penetração" é uma daquelas coisas fadadas a permanecer no plano das fantasias. Mas, supondo que você tenha a oportunidade de participar de uma empreitada dessas, vão aqui algumas dicas importantes:

1. A mulher deve estar muito excitada e ser experiente em sexo anal.

2. Dos dois homens exige-se cem por cento de pauderecência. Pau “meia bomba”, nem pensar.

3. A posição mais adequada é aquela em que um dos homens fica deitado de costas, a mulher por cima, de frente para ele, e o segundo homem por trás dela. A felizarda encaixa primeiro o pÊnis do homem que está por baixo na vagina. Em seguida, empina a bunda para que o outro meta no ânus.

4. Os movimentos devem ser bem sincronizados para evitar que um dos paus (ou os dois) fiquem escapolindo toda hora. O ideal é alternar o entra-e-sai, isto é, quando um entra o outro sai, quando um sai o outro entra. Deu pra entender?

Se tudo for feito direitinho, o prazer da mulher será indescrití­vel. Porém, como diz o ditado, rapadura é doce mas não é mole. Se fazer sexo anal já é uma coisa complicada para a maioria das mulheres, imagine fazer com os dois buraquinhos ao mesmo tempo.

Outro complicador é a dificuldade de reunir dois homens realmente dispostos a participar. A "Dupla Penetração" os coloca numa situação de muita intimidade, de muita proximidade. A parede que separa o reto da vagina é muito fina e, por consequência, o cara sente o pênis do outro roçando, massageando, o seu. É praticamente inevitável, também, o roça-roça de "ovos". Isso pode ser muito excitante para alguns, mas é inaceitável para outros. Se você tem medo de fraquejar e passar a gostar de pênis por causa disso, esqueça a "Dupla Penetração".

Alguns casais que alimentam essa fantasia têm lançado mão da "Dupla Penetração" com o uso de um vibrador. Pênis e Vibro, um na frente e o outro atrás (não necessariamente nessa ordem), numa verdadeira comunhão do homem com a máquina. As vantagens são evidentes: o vibrador está sempre pronto, não brocha e, o que é importante, não conta pra ninguém.

Experimente! Eu recomendo.

Fonte: A Vida Secreta

SEXO ANAL: Desvende esse tabu e sinta prazer.


DESVENDE ESSE TABU E SINTA PRAZER

Muitos casais enfrentam problemas por causa do sexo anal. Ou não gostam de discutir o assunto, ou se sentem reprimidos pelo(a) parceiro(a) que insiste em praticá-lo. Muitas vezes, o resultado dessa situação é a falta de harmonia da dupla e a insatisfação de um dos lados. Por isso, é importante conhecer o sexo anal antes de tomar a decisão de fazê-lo ou não. Para que você tenha parâmetros e consiga conversar sobre o assunto com seu parceiro sem medo, o Guia Mulher traz as dicas do urologista, sexólogo e terapeuta sexual Celso Marzano, da Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana.

1. É normal sentir dor durante o sexo anal?

A crença de que a estimulação anal, principalmente o coito, machuca ou dói é falsa. A maioria dos praticantes dessa relação não tem dor alguma. Mesmo assim, assusta e afugenta a maioria das pessoas que pensam em arriscar a novidade. No caso de dor, significa que algo está inadequado naquele momento. O ânus é uma região muito inervada e a sensibilidade pode inibir o prazer. Quando ocorre qualquer possibilidade de penetração anal (com o dedo, objeto ou pênis), acontece um espasmo (contração) dos músculos locais como se fosse uma defesa. Haverá dor se os parceiros não esperarem até que essa musculatura relaxe. Aliás, o relaxamento depende da cumplicidade, da confiança e do carinho. Só assim a penetração torna-se mais fácil.

2. O risco de infecções é maior?

Se não utilizar a técnica adequada, como o uso da camisinha e do gel lubrificante, o risco é maior. As DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis) ocorrem, principalmente, através das relações sexuais sem uso de preservativo e por contato íntimo entre os genitais. Quando você apresenta qualquer sintoma, como bolinhas, coceira, verrugas, corrimentos (uretral e anal), vermelhidões, inchaço, dor abdominal, secreções, sangramentos anormais, desconforto ou queimação ao urinar ou dor intensa no ato sexual, um médico deve ser consultado imediatamente.

3. E a contaminação pela AIDS?

O reto e o ânus são órgãos com intensa irrigação sangüínea e é comum a existência de fissuras (pequenos cortes) na região. Por essa razão, o sexo anal é a fonte mais fácil de transmissão de doenças, como hepatite e AIDS. Por isso, é ainda mais importante o uso da camisinha. Para evitar ferimentos, deve-se usar também um gel lubrificante à base de água.

4. Pode-se contrair doença pelas fezes?

Sim. Por isso, após a penetração anal , nunca faça sexo vaginal em seguida! Vale para o pênis, brinquedos ou dedos, que não devem ser sugados ou penetrados, pois são contaminados com fezes ou com secreções fecais, nem sempre visíveis. Caso contrário, as conseqüências podem ser sérias, como infertilidade, pelviperitonite (infecção da região da bacia e abdômen), exigindo longos tratamentos à base de antibióticos. No caso de gravidez, há risco de aborto.

5. As partes internas do corpo sofrem com o sexo anal?

Quando há desconforto ou dor é porque alguma técnica errada está sendo utilizada. Usualmente, a prática do sexo anal deve respeitar o tamanho e a largura do objeto de prazer escolhido. Se exagerado, usado de forma contínua ou violenta, poderá com o tempo, provocar: piora de hemorróidas, fissuras por traumatismo local, incontinência de gases e secreções e a contaminação por Doenças Sexualmente Transmissíveis.

6. Como devo conversar com meu parceiro para experimentarmos a prática?

É possível que, ao abrirem espaço para um diálogo, a mulher ou o homem se mostre indisposto para a prática. Por isso, vale lembrar e ressaltar que o “não” é uma possibilidade tão plausível quanto o “sim” e precisa ser respeitado. Amar o outro é também considerar seus limites e seu tempo para cada prática sexual apresentada na relação e na fantasia. Se a mulher não aceita praticar o sexo anal, cabe ao homem perguntar, mostrar-se interessado pelos seus motivos e ouvir com atenção e carinho, não tentando convencê-la a qualquer custo de que precisam fazer para que ele possa se sentir satisfeito. Procure entender as razões dela e, ao mesmo tempo, expondo os seus desejos, falando de suas vontades e justificando o porquê de acreditar que poderiam ao menos tentar e vice-versa.

7. É mais prazeroso do que o sexo vaginal?
Depende de cada mulher. Pode ser igual ou maior. Tive muitos relatos de mulheres que preferem o anal.

8. Como evitar gafes, como defecar, por exemplo?

Para não correr o risco de soltar detritos fecais no pênis do parceiro – sim, isso é possível - uma boa limpeza do ânus é imprescindível. Para evitar o desconforto, evacue antes, se sentir vontade, e faça em seguida a devida higiene com água e sabonete, ou simplesmente higienize o local. Caso ocorra saída de fezes ou exale o cheiro característico durante a relação, relaxe e encare o fato com naturalidade, sem vergonha.

9. Como garantir uma boa penetração?

A anatomia do ânus tem características específicas que o diferem de outras partes do corpo. O ânus não é tão elástico quanto a vagina e nem produz uma lubrificação natural como ela. Além disso, o reto é uma estrutura não retilínea. Depois de um pequeno canal do ânus que se conecta com a abertura anal, o reto se dirige para frente do abdômen. Após poucos centímetros se curva para trás e novamente para frente. Essas curvaturas exigem uma penetração progressiva e lenta para que estas ondulações se adaptem ao pênis. A agressividade leva a traumas locais. É preciso utilizar algum gel à base de água, vendido em farmácias e supermercados, para amenizar o atrito do pênis. Cremes hidratantes e óleos à base de vegetais ou minerais não são recomendados, pois podem fazer com que o preservativo se rompa. Lubrificantes oleosos também ajudam no rompimento da camisinha porque alteram a estrutura e devem ser evitados. Os cremes ou óleos à base de vegetais ou minerais (vaselina, creme hidratante, manteiga, creme de barbear, etc.) não são adequados para lubrificar o ânus ou a camisinha. Esses produtos aquecem e fazem distender o látex do preservativo, provocando o rompimento. A saliva pode ser utilizada, mas geralmente é insuficiente em quantidade para uma boa lubrificação.

10. Quais as melhores posições para iniciar a prática e sentir menos dor?

A melhor posição sexual é aquela em que os parceiros fiquem à vontade, relaxados, com maior possibilidade de sentir prazer e que não leve a emoções negativas de medo, ansiedade e tensões musculares. A tentativa e o experimentar são válidos para descobrir a melhor maneira para que a penetração seja facilitada, sem dificuldades e sem dor. Os praticantes indicam para os principiantes ou àqueles que sentem muitos incômodos, a colher de costas (deitada com o abdômen para baixo sobre com um travesseiro, com o bumbum para cima). A mais perigosa para quem dá os primeiros passos ou se relacionam com parceiros estranhos é a posição de quatro. Nela o homem que penetra tem controle total da situação e pode não estar preocupado com a integridade física do outro.

11. Como deve ser a higiene do local antes e depois do sexo?

A higiene com água e sabonete, logo após a relação, é vital para se evitar complicações locais. O sexo anal por si só pode provocar pequenos ferimentos microscópicos na pele do ânus e região que são portas de entrada para bactérias e vírus. Geralmente não são lesões visíveis, mas existem mesmo se for usada muita lubrificação. Na hora do banho, muitas mulheres e homens exploram a região do ânus para saber se tem resíduos fecais antes da possível relação anal. Depois dessa exploração, com muito sabonete, pode-se forçar a evacuação se ainda restar fezes na ampola retal. Para os homossexuais, a prática da lavagem interna é comum e se for realizada com lubrificação e cuidados para não se ferir, tem como resultado uma boa limpeza do reto. Devido à dieta errada, estresse, constipação, diarréia ou outros problemas gastrointestinais, pode haver mais fezes ou resíduos fecais no reto. Nesses casos - muitas vezes sob orientação médica - pode-se optar pelo uso de uma limpeza mecânica do canal do reto, como o uso de enemas ou lavagens intestinais antes da relação.

12. Como o tamanho do pênis pode influenciar?

Relações anais com pênis de tamanhos maiores devem ser discutidas e avaliadas antes do ato. Na prática, a penetração deve ocorrer lentamente e com muita lubrificação. Há relatos que com pênis maiores há muito prazer sem complicações.

13. Como aumentar o estímulo do prazer?

A resposta sexual depende diretamente de suas emoções. Desta forma, para a prática de qualquer variação sexual, a resposta depende do grau de interesse, intimidade, cumplicidade e sentimento entre o casal, seja heterossexual ou homossexual. Vamos descrever passos do envolvimento e da relação anal, deixando claro que não há “receitas de bolo” ou maneiras predefinidas como corretas ou ideais. O toque é muito importante nas preliminares, mais ainda quando se pensa em praticar o sexo anal, que exige maior relaxamento e entrega entre os parceiros. Nas carícias, a boca e as mãos percorrem o corpo do parceiro explorando as zonas erógenas, proporcionando prazer e excitação.

14. É possível obter prazer anal sem penetração?

Muitos acessórios podem ser utilizados como estimuladores. Encontramos muitos deles no sex shop. A introdução de algo no reto pode ser desconfortável nas primeiras vezes, mas a pessoa se acostuma de forma relativamente fácil, se assim o desejar. Uma vez introduzido, o objeto estimula a glândula prostática, que fica ao lado da parede do canal anal no homem, ou estimula a parede vaginal, localizada ao lado desta região na mulher.

15. Sexo anal afrouxa as pregas anais ou esse é um mito?

Esse é um acontecimento raro. A anatomia da região anal mostra no ânus dois esfíncteres musculares em forma de anel que circundam o canal anal e que funcionam de forma independente. Sobre o esfíncter externo você tem controle, como os músculos da sua mão, já sobre o interno, não. O esfíncter interno é diferente, ou seja, controlado pela parte autônoma do sistema nervoso central, como os músculos do coração. Ele reflete e responde ao medo e à ansiedade durante o sexo anal. Quando ocorre uma penetração sem que o receptor esteja preparado, com os músculos dos esfíncteres contraídos, pode ocorrer trauma com ruptura de fibras musculares, gerando dor ou sangramento. Nos casos de atentado violento ao pudor pela introdução de acessórios de grosso calibre no ânus, de forma violenta, sempre há lesões de maior ou menor grau nestes esfíncteres. Se experiências traumáticas como essas forem repetitivas, ocorrerá lesão grave e permanente dos músculos levando à perda de fezes de forma involuntária.
16. Quais os outros mitos e verdades do sexo anal?

VERDADE: Orgasmo no sexo anal é possível.
Em entrevistas, muitos relatam orgasmos e com o sexo anal e com uma estimulação genital concomitante. Outros não experimentam, mas não vêem nisso uma derrota e sim, uma forma de aproximação, carinho e amor. As mulheres têm maior possibilidade do orgasmo quando praticam contrações musculares da vagina e da região pélvica que aumentam a excitação, somada ao efeito da fantasia excitante de estar sendo penetrada. Entre os homens, a estimulação da próstata e região facilita o orgasmo. A excitação aumenta também no sexo anal quando os participantes estão envolvidos em muita fantasia e imaginação. No entanto, a estimulação direta genital tem papel importante para se chegar ao clímax quando o sexo anal está sendo praticado.

VERDADE: O sexo anal é necessariamente um ato de dominação!
A dominação e a submissão fazem parte de muitos momentos eróticos e são aceitos normalmente pelos praticantes. Contudo, certas posições sexuais praticadas no sexo anal sugerem maior dominação de um lado e maior submissão do outro. Esses pensamentos negativos podem inibir o prazer, diminuir a excitação e favorecer a tensão dos músculos anais. O sexo anal deve ser evitado se é compreendido como uma expressão de poder.

MITO: O sexo anal sempre traz algum prejuízo ao corpo.
Não é verdade. A prática exige conhecimentos prévios de como faze-lo de forma adequada entre homens e mulheres de qualquer orientação sexual (heterossexuais, homossexuais, bissexuais e transexuais). Nenhum prejuízo é causado por essa variação sexual se os dois parceiros a aceitam, a conhecem e a realizam com a técnica correta, com delicadeza e preparo psicológico. A agressividade, a dor e o sangramento são raros e resultam de contusões, lesões locais, gerando ansiedade e afastamento dos parceiros.

Fonte: Guia da Mulher => Por Ana Paula Rodrigues

Garganta profunda (ato sexual).

Garganta Profunda ou Deep Throat é um dos estilos do sexo oral. Consiste na inserção ou da totalidade ou da maior parte do pênis no interior da boca do parceiro, até atingir a garganta.

Origens

A garganta profunda ganhou notoriedade após o filme de mesmo nome, Deep Throat. Desde então esse fetiche é usado com frequência nos filmes pornô. Existindo inclusive filmes especializados no gênero, ou seja, o filme inteiro é dedicado ao sexo oral.

Além da garganta profunda, em que o homem tem uma atitude mais passiva, existe também um estilo mais agressivo, onde o homem força todo o seu pênis na garganta de quem é penetrado, resultando assim em muita saliva e até vômito.

A técnica da garganta profunda realmente não é fácil de ser dominada e não são todas as pessoas capazes de tal proeza, pois ela exige muito esforço e preparação.

Para isso, juntamente com seu parceiro, a mulher deve iniciar uma rotina de treinamento, deixando claro que suas expectativas muito provavelmente não serão atingidas em um primeiro momento.

Para deslizar e poder entrar em um espaço tão apertado como a garganta, será necessário utilizar muita lubrificação, onde no sexo oral, a saliva é a opção mais evidente, mas outras formas de lubrificação são possíveis.

Para dominar a técnica da garganta profunda existem alguns segredos:

Alinhe sua boca com a garganta. Uma das dificuldades da garganta profunda é a curva que o pescoço faz, mas esticando o pescoço ou jogando a cabeça para trás, a boca e a garganta formarão uma única cavidade. Deitando de costas, com a cabeça na borda da cama, seu parceiro estará na borda da cama em uma posição inversa a você, podendo penetrar sua boca. A desvantagem é a perda de controle, pois você estará em uma situação mais passiva.

Coordene a respiração com a entrada do pênis. Se você já estiver conseguindo engolir totalmente o pênis, verá que não consegue respirar bem, pois a passagem da traqueia também está bloqueada. Costume e auto-controle são essenciais para não se desesperar.

Agora, NUNCA “force a barra”. Se a cabeça do pênis estiver forçando alguma coisa, será certamente o fundo de sua garganta. A não ser que você acomode sua posição, em sintonia com seu parceiro, o único que você conseguirá é machucar sua boca ou provocar o reflexo de vômito.

Fontes: Wikipedia e Melhor Amiga